Exequível vs Paradoxal

Comumente me trago num trago de licor…

Navego ouvindo algo preso à lógica ocidental, como ondas cascadas pelos pescatórios cascos marítimos do intelecto…

Em cima da terra está o mar que suporta a terra…

Olivina prostituia-se em Marte como um neurónio ganha a vida de preversidades…

Gaio, caiu, caiam, cairiam se não fossem os pilares invisíveis algures estancados, vislumbrados num plano infinitesimal…

Loucura…

Abóbadas arquitectadas sob um céu celestialmente infernal…

Hipocrisia escondida numa luva socialmente visível…

Folhas retomam à origem da fórmula refutada…

O Tempo rouba tempo ao futuro remoto…

Rodo por entre arestas, sobre vértices alunados, guiado pelo prazer da amargura e confins solitários…

Porquê? NÃO SEI, APENAS ME APETECE…

Conclusão: Deus não é mais do que um mero servo da minha mente ignorantemente incompleta…

Advertisements

About this entry