Sonho de uma alma acordada

Sentado num banco de jardim estava um rapaz. Descansava encostado ao banco,  vê os miúdos brincar na relva, os cães a correr e os pássaros a voar e a cantar. Era um dia de repouso e calma para o rapaz. Vestia-se com azuis calças de ganga e caminhava descalço. Vestia uma t-shirt com um padrão tribal de cores verdes e escuras tonalidades.

Perto do rapaz sentou-se um homem.  Era um pouco mais velho que o rapaz, vá o rapaz tinha a mesma idade que eu, uns 21 anos talvez… Já o homem devia estar perto dos 35. Sem qualquer razão o homem disse para o rapaz, “eu hoje sonhei com algo muito bom”. O momento era um pouco para o estranho, pois nos dias de hoje não se fala para alguém, que é completamente desconhecido, na rua  para se contar os seus sonhos e pesadelos. O rapaz também sentiu uma certa estranheza no que acontecera,  mas a calma e a paz pela qual passava agora faziam-no sentir também um certo àvontade.  Mas o homem, Joca, continuava a relatar o sonho. Tinha eu ido deitar após um dia de trabalho e adormeci em pouco tempo, o que não é normal para mim, quando me lembro de algo está a sonhar ainda sem saber, claro, que era um sonho. Mas vá, nesta realidade do meu inconsciente, eu tinha amigos, pessoas que diziam estar comigo e até prometeram não deixar isso se arruinar como antes. Tinha até uma companheira que me dizia coisas tão boas de se ouvir sobre mim que eu nunca achei serem verdade e que nunca pensei ouvir na vida… Era quase a vida perfeita, tinha com quem passar tempo, com quem me divertir e conversar sobre o mundo e tudo o resto, não me faltava nada e já pouco tinha, a não ser mesmo isto que digo acima. Havia até gente por entre os amigos que me admiravam, eu não sei bem porquê mas acontecia isso. Bem, para mim aquilo parecia-me tanto tempo, pois o sonho durou quase 8 meses. 8 meses de alma que eu perfiz a dormir, 8 meses em que o abandono do sempre parecia terminar, mas no meio de tanto tempo só se ouvia eu dizer às pessoas, no final do ano vai tudo repetir-se e vou acabar novamente sozinho… Muitos por lá diziam que isso era mentira e com bastante fugacidade era isso dito. Cheguei profundamente a acreditar que isto que sonhei era mesmo ficar presente nesta vida… Bem, afinal era um sonho não é verdade? E todos os sonho tem uma parte em que se acorda ahahah… esta parte começou assim que terminei o trabalho… desmoronou-se tudo… O tapete foi me retirado dos pés e comecei a cair… Foi neste instante que acordei.

Abri os olhos e apercebi-me que todas as pessoas que me trataram bem não passaram como sempre de personagens de sonhos, nada mais que a minha louca e fértil imaginação a criar coisas. Pode não achar, mas ainda hoje vejo tais pessoas mas nenhuma me parece lembrar de nada. Foi tudo o sonho de uma alma acordada…

Fez-se um certo silêncio depois desta frase, e o rapaz Alvim apercebeu-se que não estava ninguém à sua beira, que era apenas o seu reflexo numa pequena poça de água junto do banco, também ele tinha sido vitima do sonho da alma acordada….

Advertisements

About this entry