[Voto em branco]

Continuo longe de todos. Longe, longe do real. É tudo irreal para mim… Eu estou algures em outro lado a ver o que faço. Eu não estou aqui. Não há [inserir nome]… Apenas o seu corpo físico. Deixei de ser alguém. Desapareci para não me importar com nada de nada, nem meu bem-estar é de importância. Sou irreal.
Todos os textos, tudo que faço, meras coisas de contínua coincidência… E passar tempo neste momento de dor que já nem sinto porque já nada sinto… Acções são apenas feitas pela camada padrão do meu ser, as regras e raíz que criei do que sou para poder continuar a ser visto como humano de sentimentos pois tudo é agora irreal para mim… Mas primeiramente sou sincero e só depois má pessoa!
Todos os dias é como segurar uma tonelada nas minhas costas… Agonia e medo de desaparecer e ser esquecido pelos amigos, ficar para sempre perdido num.., Ao fustigo de vento, à erosão da água e vento. Arquitectando uma forma de sustentar a vida que persiste no edifício, garantindo uma subsistência e teimosia dada? Viver mais 5 anos de entreajuda onde só no lado escuro da lua trabalho como que um escravo negro? Perfeito alguns diriam, no escuro nunca se sabe o que nós lhes fazemos, nunca haverá retribuição, pois ele é nada mais que uma contínua sombra sem corpo para lhe dar forma pois esta escuridão não é só sombra, é a ora, cada solidão. Não é que ele não goste e aprecie estar sozinho. Corrigindo: apreciava bastante e gostava. Pois a solidão só lembra de quanto sozinho ele está!!

Advertisements

About this entry