Poesiaemdia: II – Duo

Dois, o monstro e eu, pois
Somos o duo de sombra e lugar
bebemos agora o whisky velho
Em copos de cristal ou reles vidro
Não fosse ele um monstro ferido
onde iria eu conversar
se não fosse em sua companhia
Ver suas feridas e rir da dor partida
Dois, os monstros são…
Um apaixonado pela Júlia Maldição
A mulher que lhe deu coração

Senhora da dor e do amor
Não o tenham como triste
Ele é uma alegria e não desiste
É um comediante que me faz rir
É por isso que muitas vezes lá tenho que ir

Ernesto Guerrero
Advertisements

About this entry