Poesiaemdia: V – Cigarra

NaPoWriMo: Dia V _ Cinco

Podes ficar preso
compresso e agarrado
sem ar, na água afogado
perdido pela amargura

A felicidade não tem comparação.
Não há razão
para ser triste por comparação
Não usando alegria de analogia
sem com qualquer outro importar
e sentir que na ausência de contente
pode se sempre fazer alegria.
Do vazio e lágrimas fazer vida,
Isso e esquecer os outros
Não curar a ferida mas criar,
O que se encontra em amar,
Mesmo se apenas se ame
o nada e vazio do infame.

Infantes e reis
Na vida sem peripécias
se me perguntarem isso é férias
E nas minhas férias pouca vida há
São momentos de passar tempos
Em que tudo é efémero e passa
Mas fazer, semear ou criar
A alegria é sem duvida a forma
Que de nós torna
Não alegres ou felizes
Mas pássaros e perdizes

Livres e libertos das vontades
De qualquer desejo que, quando falhado,
Faz de ti nada mais que um azarado
E te empurra para achares que és um falhado.
Não fiques baralhado,
Sem objectivos não há perda
Sem perda podes partir
Voar para qualquer lugar.
Deixares a terra, sem qualquer conflito
Nunca mais em guerra contigo
E para sempre um fugitivo deste lugar
Sem nunca teres cometido qualquer delito
Buda ou Chuva, medita sobre a penitência
Deixa a comparação vive a tua eminência…

Faz alegria quando ela não existe
Nirvana no Ascenção disso
Nunca se desiste!
Não há preocupação sem qualquer senão
O cordão trás presa a ela a maldição
Se se perder ou falhar
Quando algo se quer alcançar
Budista eu sou e cientista!
Tão rica a minha vista
Ao longe avista…
A bendita calma em xista

Manuel Arnês Vela
Advertisements

About this entry