Poesiaemdia: XIV – Esfera, de Luz e Sombra

“Eu vim doutra esfera
Tão só como escura
Eu dei-me ao teu dia
À espera de uma luz”

Nesta esfera de metal
Estou distante do real
Ela é gelada e fria
Não tem porta para o dia
E fico encarcerado na noite
Sem a luz do teu forte afoite

Esse teu suave carinho
Amaça as paredes da esfera
Contra a pele de espinhos
Da triste e escura espera
Criando fendas no real
Que libertam o aprisionado animal
No exterior ele se entregou
Ao diferente onde agora estou
Nesta nova esfera do dia
Que sem a tua luz o mataria
Neste perigoso ambiente de porcaria

A Esfera pode ser escura
Mas resiste à imoralidade
A sua superfície é dura

Esfera calma e escura
Onde a triste solidão perdura
É uma superfície de protecção
Mas também um magnífico caixão

Oscila a luz e sombra
No exterior da esfera polida
O confronto na penumbra
Entre o escuro e a luz
Que teu dia produz

Na outra esfera só
O lugar da minha espera
Para te ter nos braços
Na noite fria falada
Na conversa por ambos amada!

Advertisements

About this entry