Esquife

Descança…

A agulha perfura a pele rija do cadáver na maca. A sua alma já desaparecida do seu transporte há algum tempo. Agora só a cara que todos viram, a face que todos reconhecem como sendo o ser que há horas o deixou, há horas abandonou o seu transporte temporário neste espaço. Àquela hora que o corpo está frio na maca de metal. O fúnebre trabalhador cose o peito do homem que morreu. Lava-lhe a cara com algodão para que ele seja entregue à terra limpo, de toda sujidade que nele se entranhou nesta longa e curta vida. Lima-o para poder colocá-lo na caixa que levará o seu corpo para a sua sepultura. A pele se enruga quando o corpo é levantado para ser colocado no Esquife.

O Esquife feito de quatro tábuas, trabalhadas pelos mestres madeireiros, irá guardar o corpo de quem espera redenção pelos seus pecados. Uma fúnebre cerimónia aguarda a entrega deste corpo como representação da compreensão de que a alma nele antes contida já o abandonou, e como que para não deixar este instrumento agora sem função abandonado para apodrecer fedendo de ingratidão e repulsa pela sua não importância. Este esquife irá agora ser o guarda deste instrumento, será o casulo da transformação do material que a terra sempre regressa, que retorna sempre as sua origens, o esquife é da mesma cor que uma folha de plátano, avermelhado pela fugacidade da intensa vida, já trabalhada pelo corpo. Mas escuro, o esquife, relembrando a todos os presentes que a Morte comanda e negoceia-a com a Bela mulher que é a vida. Trocando cromos e berlindes por coloridas almas. Pois a morte e a vida um dia acordaram criar algo, fundar um novo tipo de matéria, a matéria agora ausente do esquife, o esquife que é o nosso corpo…A Caixa que guarda o corpo. Escura mas confortável, responsável pelo nosso descanso.

Acordaram, a Morte e a Vida, que os alicerces da mais obstante obra iriam construir. Um deles como arquitecto o outro com engenheiro. Tempo levou a construir mas era inexistente ainda ampulheta do tempo, só no fim do último tijolo a Morte pergunta: “Terminado, uma aposta em quanto tempo isto irá durar?” “Parece-me sólida, apostar não mata ninguém… Pode ser.” De imediato a Morte construir a Ampulheta. “Este será o tempo que esta obra durará”. A Vida fez e faz de tudo para evitar perder a aposta, e guarda as plantas da construção no esquife para mais tarde ter uma recordação…

“O esquife transporta as plantas da construção.”

Aníbal Treva Negrão
Advertisements


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


About

This is an excess of  imagination and a lake of reason and motivation to really make of that something of relative importance. So to try and act against  that we create this “chauvinism”, the strong idea that life is not only what we think is similar to yours. We dispose of the idea of similar and equal to our Carbon make up. Do not think you know how life works and is, simply because you lived and experienced? You only lived and experienced one type of it!! And that experience was in abundance alter and conducted in your-own person defects and previews of others. Your view is only one and in a whole world weights noting more than a feather compared to a planet. Live to know fallitur visio.