Ó minha pedra!

Eu diria algo, talvez até faria algo. Qualquer coisas para evitar, impedir… Vi o meu futuro num charco de lama e ele é o mesmo de sempre alterado apenas para cor da terra… Poderia agir ou reagir, combater e contribuir. O charco é o mesmo que me vai sugar para o seu interior, consumir, repetir o que antes aconteceu fazendo desaparecer deixar de ser humano, só um golem de lama, terra e nada mais, só terra a reles e ignorada terra.

Por todas as forças que tenho vou nadar nesta lama e tornar-me para todo-o-sempre a lama que sou. O nada que sem água vai secar. Desaparecer e partir, rachar e desmoronar-se… Lama dos Andes. Barro eu sou e queimado no formo para sólido ser, ser uma pedra coesa e resistente, mas imóvel e fria. Inerte e talvez morta, a Pedra…
Podendo ela ser partida… que diferença faz uma pedra partida? Faz somente duas pedras. Esta pedra do amuleto da alegria, a jóia que a quem nela tocar dá alegria para no chão ser atirada. A Pedra…

Não uma pedra, equívoco meu, esqueci-me de usar o termo correcto para este amuleto, A estátua…
A estátua do Merdas que permanece imóvel e parte para se afastar na fria pedra. Pedroso e Pedreira todos os sítios onde ela já esteve. Pedregulho e medonho a distante estátua de um Homem erecto. Fixo ao mesmo futuro e presente, preso, não nunca preso, agarrado ou acondicionado na caixa-caixão de madeira forradinha com palha e jornal. Este ver futuro, esta demência da estátua é agora uma confusão da realidade…
Uma pedra, uma estátua… um monstro que vive na pedra!

Imóvel agora a alma… Aprisionada!



Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


About

This is an excess of  imagination and a lake of reason and motivation to really make of that something of relative importance. So to try and act against  that we create this “chauvinism”, the strong idea that life is not only what we think is similar to yours. We dispose of the idea of similar and equal to our Carbon make up. Do not think you know how life works and is, simply because you lived and experienced? You only lived and experienced one type of it!! And that experience was in abundance alter and conducted in your-own person defects and previews of others. Your view is only one and in a whole world weights noting more than a feather compared to a planet. Live to know fallitur visio.